segunda-feira, 29 de novembro de 2010


não vá embora
não mais.
hoje adormeça contando as pintas do meu corpo
e acorde enchendo me de beijos.
se você morrer dormindo
acredite que é um sonho que não acaba mais
puxe meu pé se eu acordar
ou busque me no meu sonho para te acompanhar.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

seu ar esnobe ainda te deixará na pior. sem ao menos se colocar onde esteve. sigo assim. sem saber amanhã. no hoje. vivendo substituições na procura. algo para esquecer do buraco. latente. profundo. recente. conheço o buraco. o conforto da dor. me aconchego. sofro no escuro. caminho entre penas. vindas de algum lugar. onde tem luz. ou teve. ou terá. na relatividade. me perco. no tempo. conheço o presente e logo se torna: passado ou futuro. nada permanece. só sombras. no escuro. não me vejo. não me reconheço. mas permaneço, na antiga e conhecida sombra do buraco que me acolhe como um abraço sugando minha luz.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Quanto mais tentamos

nos distanciamos

querer sem querer

amar sem apreciar

nas rotinas diárias

desabam os mundos interiores

me fecho

mais um pouco

sumo no cansaço

me perco nos motivos

é amar sem sentido

por costume de querer

por insistir

e ainda desejar

do jeito que imaginei

paixão com amor

amor com paixão

troca do disco?

Seja criativo.

Hoje seja inédito

me surpreenda.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

o cheiro da mudança. cócegas em lugares que não consigo tocar. o nervoso atrás do joelho quase não aparece. de repente é fim de um tempo. quero acreditar. ainda sem sorrir. sigo a direção do vento. passar e apreciar o movimento. agradecer aos meus cabelos que já sabem voar. recebo cheiros de flores. misturam-se com meu shampoo. fico na dúvida se a flor é minha ou veio me visitar. fique dessa vez. sinto saudades de me amar.